Fera Impetuosa

A seguir um poema que eu escrevi quando estava no ônibus. Eu estava um pouco triste por algo que ocorrera logo pela manhã.
As garras negras rasgavam a carne 
sem piedade
A boca faminta se manchava
a cada dentada voraz
Os olhos vazios tornavam-se vivazes
enquanto o brilho dos outros se esvaia

Carne dilacerada
Boca maculada
Vida roubada

Assim a fera impiedosa se mantém 

Comentários

  1. Passei por aqui e gostei do que vi, ouvi, cheirei, comi, toquei e fui tocada. Obrigada Maria, por esse momento de leitura. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigada por ter lido. Espero continuar conseguindo transmitir o que sinto quando sou invadida pelo dom da palavra. Abraço correspondido!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

As glórias de Eva

Borboleta - O clamor das asas