Uma vela


Uma vela vermelha
uma masmorra
dois corpos que ardem
em chamas distintas

Uma lâmina prateada
um golpe impetuoso
um grito agudo de dor
um riso feroz

Em pouco já nada se ouve
a não ser pela respiração
ofegante e pesada
como fosse gerada por um gozo

Como testemunha apenas a vela 
cuja cera derretida 
mescla-se com o fluido da vida 
espalhado pelo chão

Passos pesados afastam-se
deixando rastros rubros apenas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

As glórias de Eva

Borboleta - O clamor das asas